Sob uma raiz

Sob uma raiz

Quando o cabelo inverte para o outro lado onde não estava eu acordo com as mulheres que não acordam suas filhas corpo contra a gravidade e elas dão um beijo na testa de suas filhas e talvez uma delas seja a enfermeira e outra a cobradora e eu rolo no tapete da sala antes da hora do banho dessa vez sem o segundo tatame embaixo. O tapete é felpudo um pouco gelado umidade de fora rolamos juntas eu e minha filha eu rolo um pouco mais procurando encostar o pedaço da nuca que nunca encosta e de novo vem pra mim quem acorda as filhas das mulheres que não acordam suas filhas?

Construir sua própria vida, construir algo de vivo, não somente com os próximos, com as crianças – seja numa escola ou não – com amigos, com militantes, mas também consigo mesmo, para modificar, por exemplo, sua própria relação com o corpo, com a percepção das coisas.* Um homem escreveu surrupiei a sua percepção para a povoar com meu corpo existência de mulher e outro que disse de uma relacionalidade infinita. Ele, o de antes, pergunta se isso seria como diriam alguns desviar-se das causas revolucionárias mais fundamentais. Preocupação de quem e como as causas urgentes atravessando a escrita de um homem uma mulher se apropria das sensações comuns como emoliente feita de toque e morna ao mesmo tempo em que ela desenvolve maneiras desenhadas na pressa de descascar batatas. Relacionalidade infinita dança improviso mutabilidade modulação.

Uma contagem da vida anonimicamente não sabemos muito bem quem produz os gráficos das vidas anônimas que morrem diante da gente em gráfico morrem diante das mulheres que não acordam suas filhas o meu medo a minha cama por cima de tudo meu sonho por baixo de tudo isso vivemos nas cidades das vidas anônimas e os corpos dos outros são serviços para os nossos. Mas agora as valas de terra solta corpos dos que nunca queremos ver chove e lava os corpos mortos penetráveis superfícies que são fechadas em sistemas de corpos internos neurotizados a doença para dentro. Asfixia aumentada alienação em gráfico especialistas de mortes (homens de gravata).

Posso respirar quando chove muito eu lembro que essa cidade é charco e caminho nas ruas pisando em sementes secas para provocar um craca como aquela do sonho em que a chuva corrompia o cimento duradouro desse prédio onde me penduro como célula macia. Abrir a terra era inevitável eu dizia mas as pilastras estavam seguras o som de cada gota de chuva do lado de fora a chuva desenha um ritual em que o desaguar da nuvem é o lugar de cada morte. Cada morte não posso respirar.

Uma nesga de sol um longo inverno disse outro homem que agora tem medo do fora se encastela para viver depois do inverno. Fecho os olhos e vejo pequenas sementes desperdiçadas nos lençóis freáticos paredes de cimento que secam a terra por dentro uma cova para uma água brotada um teto que pinga também dentro da casa alguma coisa alguma comunidade imaginada de realidade comum de corpos quentes e não dos corpos que vão ou dos corpos que se evitam. Na urgência queríamos uma comunidade de parideiras de mulheres que gozam que abortam e que cuidam. Os filhos doentes do patriarcado são cuidados por quem agora? No abrigo-confinamento a crise dos cuidados a povoar a crise dos cuidados a povoar o invisibilizado em todo e qualquer canto, em toda e qualquer célula doméstica alguns podem mais algumas sofrem mais algumas mães chegam em casa e não podem beijar suas filhas.

Nas costas de mim, nos bolsos do macacão, as cascas de frutas secas nos meus bolsos sun day s as cascas laranja a casa e as cores mornas a luz baixa e aquela pedra esculpida com um nome na lateral da igreja gótica ao mesmo tempo introduzindo o cemitério todo no topo de Glasgow. In the memory of Sundays era um homem ou era um ritual pagão que ocupava ali mesmo do lado da igreja um pedaço de chão terrenal projeção de tempos infinitos. Em casa eu viajo nas paisagens onde olhava para longe procurando quase como se conseguisse perfurar a nuca e expandir espaço sem teto sobre a cabeça onde eu nem sabia que precisaria tanto, agora.

Se eu molhar as cascas secas das frutas com as gotas das chuvas eu vou embora de mim mesma em matéria mágica. Vai embora também um moi idéal e un idéal de moi impressa na tela de projeção virtual procurando olhar sem ser frontal (impossível). Something like that água por tudo água nos meus olhos água por tudo dizem que o vírus habitava as águas sujas antes mesmo de brotar parasita em um pulmão poluído o vírus sem saber esperava uma brecha as condições ambientais um acúmulo de toxinas. Mas estou no lugar que deveria estar anoto coisas do tipo quando há tempo de anotar como mandalas em palavras. Rabiscos de ritual traços cascas.

Choveu tanto. As árvores seguram o limite do lençol freático Domingos un hombre de mucos hablaba por abajo de las sabanas un operario preso na construção do canal por allí húmedo y aun vivo de manos verdes puro limo, algas y hongos el me llama a bajar al canal unos 12 metros abajo de mi ventana. Domingos para ver as formas incompletas de vida e de proteína que cruzam em alta velocidade os subúrbios das águas umedecem a carne da cama o lençol toca por uma fina camada gelada faz uma ponte úmida do meu corpo com o lençol freático.

A Canafístula frondosa me conhece mais que eu habita toda a janela do quarto e carinha minha alma acompanho com ela as cores do dia e ela é um filtro manso das transições dos dias o silencioso canal aterrado entre as ruas que descem do Mont’serrat eu sou a mulher branca do 308 que enumera amorosamente as casas de madeira que existem ainda sobrevivem na vizinhança como hongos coloridos de um outro modo de habitar e os meus vizinhos negros que eu não conheço da história do bairro das calçadas de arenito vermelho que eu queria lamber. Os meus vizinhos das casas de madeira não vão subir para o quinto andar de um prédio de granito marrom que canalizou o lençol Sun days um vôo no espaço aéreo da Canafístula.

Eu tenho outro sonho dessa vez com un hombre de la casa curativa habitava uma casa azul como nas paredes calcadas do Marrocos que nunca fui manchas azules es ahora y no el hombre de mucos que não pode acordar as suas filhas porque algumas delas nem podem acordar (ele está com os ouvidos tapados ele conversa comigo por gestos). O outro está muito ocupado sua vida entre decisões talvez ele leia os gráficos eu espero que ele tenha um tempo entre tantas pessoas que lhe solicitam fecho a tela dos gráficos seguro no colo um bebê com rosto de menino-homem que me pede amamentação como? Interpelada a casa curativa do homem o sonho ainda não é a comunidade de parideiras de paredes calcadas de amoroso sangue.

Eu rolo no solo esticando um último estalo no pescoço desejo sair do sonho vejo algumas plantas aqui em casa e entre as paredes de calcário na umidade as paredes fluxos de sangue fluxos de signo diante da tela evidenciam a vida mais como signo que como vida. Como podem se desfazer de vidas espero desenhando diagramas transformativos olhando uma psyché corrompida remendos de realidade os filhos adultos que não abraçaram seus pais. A minha filha a esperar no banheiro cerrado de névoa amplio o peito para pegar um pouco mais de ar e ele está cheio molhado de água o dia acaba abraço afago quente e é noite de novo debaixo da Canafístula.

* Sob uma raíz de uma árvore Canafístula (Peltophorum dubium) ou Ibirá-pitá (Paraguai e na Argentina). Árvore da família das Fabaceae.

**Escritor homem surrupiado: Félix Guattari, em Revolução Molecular.

magic surveillance

pretty magic, such as things are when we are being watched. I arrived at my mum’s house and the post men came with his yellow bike.  I said ‘you do have something for me’. and he hand delivered your purple letter to me. not that he knows me, but we had a quick chat the other day. are we being watched? when you mentioned a letter, it arrived! I played with my mum that the guy delivers letters randomly, each day he picks up one, so trying to predict when something will arrive or stamp date doesn’t make any sense. gracias. te escribo pronto

tai-pei noodle bar

tai-pei noddle bar em elephant & castle. foi um daqueles lugares em 2009 que eu senti que tava no meio do mundo. gente de todos os cantos, comida barata e budas dourados. a primeira vez que eu fui já sai com aquela nostagia de nunca mais ia voltar. afinal, no começo cada canto da cidade era um blur, e não sabia que ia voltar para cada canto conhecido, muito menos para londres, pra viver, tudo mais. voltei umas três vezes em 2009. e depois em 2011. e sempre sobrava um pouco do noodles vegetariano e eu pagava 50p mais pela embalagem e levava para casa pra comer no outro dia. agora não sobra nada! nos multiplicamos e comemos juntas o número 32. #sobretercrianças e dividir o prato de comida (ie a vida) com elas!

Três chamadas para uma complexidade

(abaixo estão trechos do texto, para fazer download da versão completa clique aqui)

Imaginar
Caminho pensando no tempo da vida neste lugar/espaço descendo e subindo as escadas entre os andares do curvilíneo bloco, onde antes se podia ter um escape para fora e agora tijolos de seis furos cobrem a vista por baixo do cimento espesso. O interstício vertical que prolonga a observação do percurso meio que perde a função na origem reificada. Como eu introduzo uma conversa por sobre essas camadas sujas da escadaria que leva do vão livre aos andares superiores? São os moradores que sobem e descem com mais intimidade do que eu, mesmo que eu tenha observado detalhadamente a espessura das linhas feitas nos idos da década de 40. Não só aquelas linhas precisas entre espaços fazendo paredes (os desenhos do arquiteto) como as rasuras que cobrem o palpável objeto de duplo apavoramento e maravilhamento refeito Pedregulho. Realidade visível e realidade projetada.

(…)
Coletivar
No deslinde do tempo do habitar um apartamento no prédio do bloco A, o Minhocão, o projeto de residência artística se torna reconhecer um movimento de memoração do projeto moderno por diversos vetores (privado, estatal, autônomo) e avaliar desde nosso lugar os modos como isso pode acontecer: que é que trazemos para o presente como herança desse período? A memoração sem dúvida requer seleção e reativação de diversas verdades que tecem a trama complexa do Pedregulho. Entender que o ponto inicial é não buscarmos uma utopia congelada nem vias de reproduzi-a ao modo vanguardista, e sim os seus contratempos. Aportar o que temos como próprio, a criação, e elaborar perguntas em direção àquela coletividade e às demais em formação, observando de que forma não nos perdemos nos desvios incansáveis das formas de captura, mas encontramos o tino da colaboração: há uma comunidade no Pedregulho, a mesma que estranha a chegada dos artistas, que espera a presença do Estado ou que a desconhece, e, talvez, a mesma que se envolve.

(…)
Desejar
No final de semana de encontro com o grupo Frente 3 de Fevereiro tivemos um debate intenso sobre o que pode ser atuar no complexo, antes, artisticamente. Naquele momento o grupo promovia uma série de ações no Morro Santa Marta e realizava entrevistas com pesquisadores e ativistas de movimentos sociais abordando temas como racismo, democracia racial e exclusão. A pergunta que nos cabia como organizadoras do projeto seria: de que forma a residência artística promovia ali mesmo no Pedregulho uma ativação das questões que interessa ao grupo fomentar? Nos idos do debate percebi que informar a comunidade do Pedregulho da articulação ampla – considerando pensamento e ação era o mínimo que se deveria fazer como requisito para acontecimento da “residência”. “Informar” sem dúvida tomaria as formas de uma criação artística, que tivesse inteira a intenção de fazer pensar as condições de sociabilidade não só no edifício, mas na cidade do Rio de Janeiro. Por aí se descobriu o regime de controle sob o qual viviam os primeiros moradores e se pôde observar de outra forma a atualidade dos costumes no Pedregulho. A criação de um dispositivo relacional pautado em imaginação e conversa (sob o olhar inesquecido de uma câmera de vídeo, é claro), trouxe ao “Pedregulho” as estratégias de controle social em voga na cidade, tanto na cidade oficial como nas periféricas… Assim que a determinação de um pressuposto artístico não poderia existir sem a maleabilidade de uma atualização: é preciso saber onde se está e direcionar o desejo equacionado com aquelas vozes.
(…)

Leia o texto completo aqui
Texto publicado no livro-catálogo
Pedregulho: residência artística no Minhocão
Beatriz Lemos e Cristina Ribas (org.) ISBN 978-85-61659-04-2 Belo Horizonte: Instituto Cidades Criativas / ICC, 2010

Este texto foi escrito a partir do projeto Pedregulho Residência Artística